Carnaval de Veneza, uma experiência única.

carnaval-veneza

carnaval-venezaO carnaval de Veneza é algo para ser vivido pelo menos uma vez na vida, não tem nada igual. É como acordar durante um sonho e perceber que está na praça São Marcos no século XVIII. O mundo mudou fora e muda dentro de você. Cores, rendas, apliques, veludos suaves, a beleza das fantasias e o mistério. Escondido nos olhos, por trás das máscaras. Não existe nada mais fascinante do que o mistério e a maravilha estampada nos olhos. Pois bem, é carnaval! Impossível não falar sobre a beleza e a magia que se vive em Veneza nesses dias.

A origem do carnaval de Veneza remonta a 1094 quando, pela primeira vez, o vocábulo foi usado para descrever diversão pública. Mas, foi no século XVII que o carnaval ganhou prestígio. Os nobres também queriam se divertir e através do anonimato permitido pelas máscaras se misturavam ao povo nas ruas. Usar uma máscara significava não revelar a identidade, o sexo e a classe social. Assim, era possível entrar em um mundo ilusório onde tudo era possível e permitido. O ato de tirar a máscara e revelar o rosto muitas vezes sinalizava disponibilidade à abordagem dos pretendentes. Em cada história, o possível epílogo tinha origem na ‘magia’.

Máscaras, símbolo da liberdade.

As máscaras se tornaram símbolo da liberdade. A bauta, usada tanto por homens quanto por mulheres, é uma das mais antigas e tradicionais e nunca falta no carnaval de Veneza. Ela é composta por uma máscara branca sob um chapéu de três pontas e um amplo manto negro chamado tabarro. Mas isso não é tudo. Não existe carnaval em Veneza sem Arlequim, Colombina, Gato, Moretta e, obvio, o meu preferido, o belíssimo Pierrot… Ok, me concedo uma lágrima para sonhar esse apaixonado, tão romântico quanto infeliz!

pierrotO mundo, porém, algumas vezes se mostra estranho. Em 1797 a beleza do carnaval de Veneza foi proibida por Napoleão Bonaparte, após a invasão do Norte da Itália. As máscaras foram banidas por temor de desordem e invasões por parte da população. Somente quase dois séculos depois o evento foi retomado, assim como também a tradição das fantasias. Dessa maneira, se desencadeou em Veneza um verdadeiro comércio de máscaras.

Com o resgate das festas e com as tradições restabelecidas, os artesãos recuperaram tudo aquilo que parecia esquecido e aprimoraram o negócio. Atualmente utilizam diversas técnicas e materiais e realizam cursos para quem quiser aprender a arte de produzir máscaras. Trabalham argila, gesso, gaze, porém as mais artesanais são aquelas elaboradas seguindo a tradição antiga, ou seja, obtidas rigorosamente pelo trabalho manual e uso do papel machê, um composto de restos de papel absorvente picado e cola.

Para produzir as máscaras venezianas mais cobiçadas primeiro é criado o modelo e o molde no qual o papel machê é trabalhado e colocado para secar. Removido o molde, é hora de terminar a obra decorando-a e enriquecendo-a com plumas, missangas, desenhos e tudo o que a imaginação poderá criar. Palavras, nesse caso, não dizem muito. As imagens, com certeza, têm muito mais para contar.

bauta

carnaval-veneza carnaval-veneza

carnaval-veneza

carnaval-veneza carnaval-venezacarnaval-veneza

carnaval-veneza

carnaval-veneza mascara-veneziana

anjo-morte

mãe-natureza carnaval-veneza carnaval-veneza

carnaval-veneza

carnaval-veneza carnaval-veneza

mascaras

carnaval-veneza carnaval-veneza carnaval-veneza

carnaval-veneza

carnaval-veneza mascaras-venezianas
carnaval-veneza carnaval-veneza

praça-san-marco

pombo-praça-san-marcoNo meio de tanta gente tem até quem conseguiu tirar um cochilo.

🙂

Você já participou do carnaval em Veneza?
O que mais gostou?

QUER SABER MAIS? | ENVIE UMA MENSAGEM

Deixe uma resposta